Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2011

O verdadeiro papel do mestre e sua discípula

Criar e recriar encontros amorosos tem permitido aos amantes novas combinações, muitas vezes improváveis, mas nunca desprovidas de densidade, foi assim que me vi diante de J, jovem Advogada que veio ao meu encontro movida pela busca de uma boa prosa e um fascínio natural que a jovem mulher nutre muitas vezes pelo homem maduro.


J, ciente da minha condição de um homem utópico sentiu-se liberta para agir da mesma forma, tomávamos um Sauvignon Blanc no Caves um restaurante que simboliza muito dos meus desejos de uma nova moral e de certa harmonia estética pouco comum em lugares feitos para atenderem ao público em geral, em pouco tempo conduziu nossa prosa para a hipocrisia da moral sexual que nos rodeia, dos preceitos da monogamia e suas condicionantes, foi quando J. Disse que sempre nutria o desejo de ser iniciada no ménage a troá com dois homens maduros os quais seriam seus mentores sexuais.


Pedi que respirasse fundo, como peço a minha leitora que o faça também e olhando por todo o ambien…

A JUSTIÇA

Seja do ângulo moral, social ou jurídico, a justiça é uma dama que não funda nada, a não ser os proconceitos do aqui e agora. Não existe direito natural. Não existem valores absolutos. Não existem imperativos categóricos. Só existem sistemas humanos, demasiado humanos, que se autojustificam inventando para si mesmos bases metafísicas ou éticas perfeitamente artificiais e fictícias. Em suma, é justo o que convém ao príncipe. Resta saber quem é o "verdadeiro" príncipe. É com essa terrível verdade que Marck Halévy nos faz perceber o quanto a moral burguesa nos abre a possibilidade de sermos lançados a uma revolução silenciosa onde uma nova moral sexual será marcada pela certeza de que somos livres do sentido de pecado, que o sexo deve ser celebrado de forma plena e autêntica sem amarras, ou feito as escondidas.

NOSSAS REGRAS E NOSSOS TABUS

Hoje, me recordo quando vi pela primeira vez um narguilé foi quando a lagarta azul aparecia logo no final do capítulo 4 e ao longo de todo capítulo 5 do livro Alice no País das Maravilhas. Ela fuma um nargilé e é quem ajuda Alice em relação ao problema de seu tamanho, indicando um cogumelo como solucionador de tal situação. Agora vendo você voltar do banho completamente nua se preparando para usarmos pela primeira vez nosso narguilé com a maconha que sempre desejou fumar quando tivéssemos trepando, observo seus movimentos e a delicadeza que revela toda sua rendição a esse ritual que planejamos juntos a partir do primeiro instante em que em revelou seu desejo, contudo criar um enredo que pudesse acrescentar novos elementos a esse ritual não poderia ser menos ousado, ouvi atentamente naquela tarde quando dizia estar curiosa em saber o que o sexo poderia influir no uso da maconha e logo vi sua nudez em nosso quarto quando se preparava para fumar, o narguilé veio como um tributo, pois com…

A TOMADA DE SENTIDO DO CONSCIENTE

“A vivência do símbolo tem as características de uma surpresa:


O consciente é tomado por um sentido que se impõe a ele e lhe


faz pressentir algo que até então ignorava.”

Corintha Maciel
Muito embora as cenas eroticas postadas neste blog sejam na sua maioria um culto ao erotismo feminino, não poderia deixar de homenagear as leitoras deste blog e por quê não os leitores também, foi assim que ao encontar esta imagem pude me transportar para minhas leitoras e me sentir levado a elas com esta cena, que as convido a sorver como uma das possibilidades que a Sociedade LaCaves convida cada uma de vocês a vivenciar.